(re)Começos

A vida é um ciclo único. Nascemos, crescemos, morremos. O dia nasce e põe-se. As semanas repetem-se a cada 7 dias. Os meses. Os anos… Tudo tem um ciclo. E o que foi não volta a ser. E o que há-de vir pode ou não ser quanto baste. Não deixes

O meu primeiro retiro

Fui. Já queria há muito tempo ir. Mas entre as desculpas que damos a nós mesmos para não fazer certas coisas e… COVID… deixei passar. Quando pensei em retiro. Quando decidi que queria experimentar. Quando desafiei uma amiga (a quem se juntaram mais 2). Só pensava em tempo para mim.

Menino de sua Mãe

Estava convencida que tinha vindo ao mundo para ter meninas. Se a primeira era muito ansiada como menina (por mais que pudesse dizer venha com saúde… sim havia uma preferência!), a 2ª era ansiada por menina pela poupança na roupa (que era muita!) que poderia passar da irmã. Tudo seria

Setembro a correr

Tenho sempre a mesma sensação. Ano após ano. Setembro voa. As rotinas “novas”, as urgências de fazer nos 3 meses que faltam o que não se fez nos 8 que passaram (sim porque setembro acaba por ficar no meio do limbo!), os aniversários e outros que tais cá de casa.

Voltar aos básicos

Quanto melhor comemos, mais gostamos de comer melhor. Quanto mais desporto/exercício praticamos, mais gostamos de praticar. Quanto mais escrevemos, mais gostamos de escrever. E assim podia continuar com n outras coisas que nos fazem sentir bem.

Vamos começar o ano (lectivo) mais organizados? Ou vamos em queda livre?

A gestão das refeições familiares é, na maioria das vezes, encarada como um “fardo”. Tipicamente responsabilidade “da mãe”, causa momentos de verdadeiro stress pensar: o que vamos almoçar?, e agora? atrasei-me para o jantar…, será que estou a fazer as melhores escolhas para a minha família? e o bebé? Este

A vida à roda ou a roda da vida?

Todos já passámos por situações que nos deixaram a pensar no carrossel da vida: como não percebendo o que se está a passar, não aceitando ou ficando à espera que um dia melhore, aconteça “aquela cena” ou haja condições… seja lá para o que for. Mas quando nos distanciamos e

“Escolhe um trabalho de que gostes e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida”

Confúncio. Já todos ouvimos ou lemos esta frase não sei quantas vezes. E já muitos (eu incluída) pensámos “que cliché. se pudesse fazer só o que gosto. e as contas para pagar?” Mas ela está muito certa. E certa em muitos níveis. Devemos sim procurar fazer algo que nos dá

Vamos a contas?

Deveria haver uma cadeira sobre contas poupança de gestão do lar. Ou será que em tempos já houve? Poupar. Gastar. Comprar. Poupar. Controlar. O que tem isto a ver com o ser saudável? O mesmo que escolher aquilo que comemos. Por duas razões: porque não precisamos gastar uma fortuna para

Espiritualidade? Conexão? Presença?

Estar. Só estar. Focado no Agora. Aquilo que as crianças conseguem fazer durante horas quando estão focadas numa atividade e nós adultos parece que perdemos essa capacidade. Vamos crescendo e o “Foi assim”, o “Passado”, as memórias passam a ocupar grande parte do nosso tempo. Muitas das vezes em forma

Create a website or blog at WordPress.com